Treinamento em
Segurança do Trabalho
Blog


Categorias
Nossos Cursos

Planos de Contingência: Um novo desafio para o SESMT

26 / Out - - Categoria: NR 05 CIPA


A EQUIPE SST E OS PLANOS DE CONTINGÊNCIA
Algumas das grandes falhas de empresas que faliram tiveram pouco ou nada a ver com problemas de qualidade de produtos e serviços, e tudo a ver com falhas na identificação, avaliação e tratamento de possíveis riscos.

 
O QUE É CONTINGÊNCIA
Define-se contingência como a possibilidade de um fato acontecer ou não. É uma situação de risco existente, mas que envolve um grau de incerteza quanto à sua efetiva ocorrência. Sucintamente, as condições necessárias para a existência de uma contingência são: possibilidade de um acontecimento futuro resultante de uma condição existente, incerteza sobre as condições operacionais envolvidas e a resolução destas condições dependerem de eventos futuros. Em SST esta situação é denominada de “incidente”, ou “quase acidente”.

Os Planos de Contigencia surgiram inicialmente visando a cobertura de uma população ou comunidade diante de um desastre (incendios, terremotos, vazamentos). São Planos geralmente elaborados por empresas públicas.

Para as empresas privadas, esses Planos visam preparar para o enfrentamento de situações de crise potenciais de grande impacto, porém menos prováveis. Essas situações requerem medidas preventivas para proteger a segurança e saúde dos funcionários, preservar recursos vitais da Empresa e minimizar a interrupção da produção.

 
AS NRs E OS PLANOS DE CONTINGENCIA
Algumas NRs tratam da questão da contingencia de forma ainda inespecífica.

O PPRA da NR-9 menciona o conceito de “nivel de ação”, indicando a emergencia de medidas quando situações de risco ultrapassam determinados níveis, mas não especifica uma ação contingencial que pudesse prever possíveis cenários ou especificando incidentes.

A NR-10 (Eletricidade) menciona de forma específica situações de emergencia e a necessidade de acoplar medidas ao “plano de emergencia” da empresa (NR-10.12).

Na NR-13 (Caldeiras e Vasos de Pressão) obriga-se a que no Manual de Operação haja menção a procedimentos de emergencia obrigatórios.

Na NR-15 (Insalubridade) há menção a procedimentos diante dos cenários de embolia gasosa e doença descompressiva, procedimentos que estão dentro do contexto de contingência.

A NR-19 (Explosivos) destaca a previsão de um Plano de Emergencia e Combate a Incendio e Explosão bem detalhado (item 5.2.4.1) , que deveria ser objeto de estudo por parte de todos os que militam na área, independente da atividade industrial .

A NR-22.32 (Mineração) tambem indica a necessidade de inclusão de um Plano de Emergencia bastante abrangente, pois inclui incendios, desabamentos, explosões, etc.

Na NR-29 (Portuário) determina a elaboração de um PCE – Plano de Controle de Emergencia e o PAM (Plano de Ajuda Mútua) obrigando ao emprego de ações coordenadas para o enfrentamento de situações críticas.

Finalmente, na NR-33 (Confinados), há tambem a obrigação de um Plano de Emergencia e Resgate incluindo possívels cenários de acidentes, a partir da Análise dos Riscos. É esta análise de cenários que caracteriza de fato a contingencia e temos finalmente o primeiro exemplo de NRs que incorpora o princípio da contingência.

Deve-se mencionar, ainda, o conceito de falha segura, expresso na nova NR-12 (Maq e Equip), já mencionado neste Blog, situação que remete para aquele cenário intermediário entre o incidente e o acidente, o que constitui uma faixa imprecisa de eventos para os quais estabelecem-se as bases da contingencia.

 
A EXPERIENCIA DAS REDES DE INFORMAÇÃO APLICADA AO SESMT
O desenvolvimento dos Planos de Contingência (PC) na área de Tecnologia da Informação deveria constituir para o SESMT de qualquer empresa um excelente referencial para que se possam desenvolver Planos de Contingência similares, em todas as áreas onde houver riscos cuja magnitude obrigue a empregar esse recurso.  Vamos analisar abaixo alguns desses conceitos, oriundos de empresas de Tecnologia de Informação, que podem ser perfeitamente aplicados à rotina do SESMT:

 
INCIDENTES
É sabido que incidentes de segurança são devidos na sua essência à existência de pelo menos um dos dez fatores básicos de risco.
(BRF – Basic Risk Factors):

• Design (para o SESMT significa o desenho ergonômico das máquinas);
• Hardware (para o SESMT significa as condições operacionais das máquinas)

• Manutenção;
• Conservação;
• Condições de erro;
• Procedimentos;
• Treinamento;
• Comunicação;
• Metas incompatíveis;
• Organização

 
REDES FORA DO AR: O “CRASH” DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
Com a introdução dos sistemas on line, de Redes interligando computadores e servidores e a subsequente dependencia dos negócios a essas redes, os planos de contigencia passaram a ter destaque  no sentido de gerenciar as situações em que a rede sai do ar, seja por simples interrupção de energia, seja por ataque de virus ou hackers. São planos vitais, pois focados na garantia da gestão financeira, que incluem pagamentos de fornecedores, receitas, folhas de pagamento, investimentos, gerenciamento de ativos e reservas de contingência, e, ainda, propriedade intelectual;

Garantir a continuidade do negócio tornou-se uma preocupação atual e prioritária para os responsáveis dos sistemas de informação das organizações, já que atualmente a maioria das empresas depende de seus recursos computacionais para operar normalmente. Incidentes ou eventualidades que provoquem a parcial ou total paralização desses recursos podem ocorrer a qualquer momento e, para que o problema seja sanado no menor tempo possível (de forma que a empresa dê continuidade aos seus processos de trabalho já em andamento e, além disso, não perca novas oportunidades de negócio), é preciso adotar medidas emergenciais – ou contingenciais. O SESMT enfrenta situações análogas, visto que trata de ações diretamente relacionadas aos processos produtivos nas atividades industriais.

 
CONCEITO DE REDUNDÂNCIA
O termo redundância descreve a capacidade de um sistema em superar a falha de um de seus componentes através do uso de recursos redundantes, ou seja, um sistema redundante possui um segundo dispositivo que está imediatamente disponível para uso quando da falha do dispositivo primário do sistema.

Essa redundância está presente, por exemplo, nos sistemas embarcados de aviação, quando impõe que aviões comerciais possuam dois computadores de bordo, dois sistemas para controle dos trens de aterrissagem, etc. Se um sistema falhar, deve ser o outro sistema tão eficiente e operacional como o primeiro, pronto para entrar em operação, testado, treinado e suficiente.

No SESMT esta situação encontra correspondência justamente em alguns dispositivos de proteção de máquinas e até mesmo de EPIs que precisam ser substituídos imediatamente, quando danificados. Ou ainda, quando ocorrem falhas em sistemas elétricos que necessitam de acionar-se um segundo dispositivo de suprimento de energia. Pode-se mencionar, tambem, a necessidade de se dispor de dispositivos de reposição na ocorrência de panes súbitos e inesperados, como, por exemplo, panes em empilhadeiras, andaimes ou dispositivos de outras máquinas ou sistemas.

 
PROTOCOLOS PARA PLANOS DE CONTINGÊNCIA
Um plano de contingência nada mais é, conforme seu próprio nome sugere, um documento que descreve, passo a passo, quais ações a empresa) deve tomar a fim de retomar normalmente seus processos de trabalho, após a ocorrência de um incidente de segurança (ou uma contingência). Trata-se de um documento desenvolvido com o intuito de treinar, organizar, orientar, facilitar, agilizar e uniformizar as ações necessárias às respostas de controle e combate às ocorrências anormais. Sem um plano de contingência, as ações de correção e eliminação de problemas emergenciais tornam-se desorientadas, arriscadas, sem garantia de eficácia, geralmente porque são executadas contra o relógio, com medidas desesperadas, não bem raciocinadas com a devida calma, não testadas e sem planejamento prévio.

Planos de contingência devem ser:

Testados periodicamente;  Documentados por escrito;  Atualizados sempre que necessário

Formalmente aprovados pela diretoria da empresa;  Arquivados de forma e em local seguro (de fácil acesso aos responsáveis por sua aplicação)

Elaborado por profissionais especializados, de acordo com as premissas da política de segurança da empresa;

Deve-se realizar testes periódicos no Plano de Contingência, pois esta é a única forma de avaliar, antecipadamente, seu funcionamento em situações de contingência. Estes testes devem conter: cronogramas de testes, locais, aplicações a serem testadas e critérios para documentação dos testes.

 
MODULOS DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA
Os planos de contingência estão subdivididos em três módulos distintos e complementares que tratam especificamente de cada momento vivido pelo SESMT:

Plano de Administração de Crise – Tem o propósito de definir passo-a-passo o funcionamento das equipes envolvidas com o acionamento da contingência antes, durante e depois da ocorrência do incidente. Além disso, tem que definir os procedimentos a serem executados pela mesma equipe no período de retorno à normalidade.

Plano de Continuidade Operacional – Tem o propósito de definir os procedimentos, reduzir o tempo de indisponibilidade dos sistemas produtivos e, conseqüentemente, os impactos potenciais à produção.

Plano de Recuperação de Desastres – Tem o propósito de definir um plano de recuperação e restauração das funcionalidades dos sistemas afetados que suportam os processos de trabalho e produção, a fim de restabelecer o ambiente e as condições originais de operação.

 

FONTE:nrfacil.com.br

Por que fazer o curso de CIPA?

Porque fazer o curso de cipa A CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) é uma comissão formada por funcionários que tem entre suas funções analisar o ambiente de trabalho e os possíveis riscos de acidentes...

Estabilidade dos membros e presidente da CIPA

Estabilidade dos membros da CIPA - Instituto SC A CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) é uma das partes fundamentais de uma empresa, afinal, seu objetivo é observar e relatar todas as condições de risco nos ambientes de trabalho e,...

Benefícios alcançados pela implantação da CIPA

Cursos Online - Instituto SC Para controlar o ambiente de trabalho e diminuir a incidência de acidentes de trabalho, é preciso que seja criada uma comissão que tenha por objetivo analisar, levantar informações, e propor possíveis...

A importância da Análise e Mapa de Risco

Mapa de Risco Instituto SC O ambiente de trabalho deve ser um local que ofereça condições ideais de segurança e proteção aos trabalhadores para que estes possam exercer suas funções com tranquilidade e...

CIPA - Para que serve? O treinamento é obrigatório?

Curso de Cipa Instituto SC A norma regulamentadora NR5 dispõem os requisitos básicos para a criação de uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes. A CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes)...

Como criar a CIPA na sua empresa?

Cipa Instituto SC Criar a CIPA na sua empresa é parte do cumprimento das disposições da norma regulamentadora NR 05. Embora seja simples, obedecer a um protocolo de criação, implantação e execução das...

Primeiros Socorros: A importância de Possuir Conhecimento

Grande parte dos acidentes pode ser evitada se tomarmos pequenos cuidados no dia a dia, porém em muitas situações isso é inevitável. Sendo assim, é necessário que as pessoas tenham conhecimento acerca...

Informações Importantes Sobre NR 05 (CIPA) e sua Aplicação

NR 05 – Exigibilidade legal da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA). Esta NR trata do processo eleitoral, treinamento e dimensionamento da CIPA, que é a comissão constituída por...

A importância da CIPA para diminuir Acidentes de Trabalho

A importancia da CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a...

O que é CIPA? Importante instrumento da segurança no trabalho

Tudo sobre o que é CIPA e o que significa A CIPA como importante instrumento na defesa da segurança no trabalho e bem estar do trabalhador Certamente você já deve ter ouvido falar, mas sabe exatamente o que é CIPA? A Comissão Interna de...

Planos de Contingência: Um novo desafio para o SESMT

01 - CIPA - Objetivo - Constituição

02 - CIPA - Organização

03 - CIPA - Atribuições

04 - CIPA - Funcionamento

05 - CIPA - Treinamento

06 - CIPA - Processo Eleitoral

07 - CIPA - Contratantes e Contratadas

NR-05 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA)

Nossos Cursos